27 de set de 2014

Resenha: Champion - Marie Lu


Título: Champion
Original: Champion
Série: Legend #03
Autora: Marie Lu
Páginas: 304
Editora: Rocco (2014)

Sinopse: No emocionante desfecho da trilogia Legend, June ocupa uma posição privilegiada no governo e Day trocou a alcunha de criminoso mais procurado do país pela de herói nacional. Mas quando tudo parece conspirar a favor da paz, a ameaça da guerra ressurge na forma de um vírus mortal que começa a espalhar o pânico entre as colônias. Em Champion, a vida de milhares de pessoas está novamente nas mãos de June, a menina-prodígio da República. Mas salvá-las significa também enfrentar novos desafios e exigir novos sacrifícios de seu amor. O livro chega ao Brasil pelo selo Rocco Jovens Leitores, que relança também os dois primeiros volumes da série, Legend e Prodigy.

Essa resenha contém alguns spoilers do livro anterior, Prodigy.

Ninguém iria imaginar, lá no começo da trilogia, que Day, o guri criminoso mais procurado pelo país estaria do lado da República dois livros depois, após interromper uma revolução e ajudar Anden, o filho do antigo Eleitor, a se manter no poder. Tudo mudou com esse acontecimento, até mesmo a relação de Day com June, a prodígio da República.

Quando tudo parece estar em paz, Day fica sabendo que seu problema no cérebro o está matando lentamente e ainda lhe restam apenas alguns meses de vida, tudo o que pensa em fazer é se afastar de June, que agora trabalha para o novo Eleitor, e não fazer com que ela sofra. Porém, uma ameaça de praga ronda as fronteiras entre a República e as Colônias e os dois são obrigados a se juntar para combatê-la, já que os combatentes das Colônias acham que a República criou um vírus propositalmente e agora exigem que uma cura seja encontrada, e rapidamente. Como vocês podem imaginar, uma guerra pode estar prestes a explodir!

"Fear markes you stronger." - Day

Os diferentes pontos de vista utilizados, sendo um capítulo para June e outro para Day, sempre intercalando-se, trouxeram um dinamismo muito grande à leitura e torna tudo mais simples e agradável de se ler, pois conseguimos identificar as angústias, medos e pensamentos de ambos sem precisar ficar imaginando o que está se passando em suas cabeças.

Não sei dizer exatamente qual é o melhor livro da trilogia, mas Champion nos traz aquela sensação de que a qualquer momento algo importante irá acontecer, algo que possa mudar o rumo de tudo. Cada capítulo, assim como nos outros livros, é meio frenético, cheio de coisas importantes acontecendo ao mesmo tempo. O que acontecerá com a República se as Colônias resolverem atacar com tudo? Será necessário fazer alianças para sobreviver? Quem é o Paciente Zero que todos precisam para achar a cura para a praga? Day e June ficarão juntos? Essas são questões que rebatem na sua cabeça o tempo inteiro e só lendo para descobrir todas as suas respostas.
“Sometimes, the sun sets earlier. Days don’t last forever, you know. But I’ll fight as hard as I can. I can promise you that.”

Quando comecei a ler a trilogia, láááá com Legend uns 2 anos atrás, achei que iria me deparar com mais uma distopia fraca e com tudo centrado em um mísero romance entre os personagens principais, mas com Legend/Prodigy/Champion é um pouco diferente. Existe romance sim, e bastante, mas esse romance é importante para a história, faz os personagens terem atitudes extremas, importarem-se com coisas que nem pensariam, não é simplesmente um romance jogado ali no meio para fazer duas pessoas ficarem juntas.

A escrita de Marie Lu é simples, intrigante e bem acelerada, sempre mantendo o foco do leitor. Não espere nada muito adulto, mas fique sabendo que as horas gastas com esse livro/essa trilogia são recompensadoras e ao final você saberá que o tempo investido valeu a pena. Torço muito para que Legend torne-se um sucesso aqui no Brasil como é lá fora, principalmente nos Estados Unidos, e acredito que o a trilogia tenha potencial para chegar num patamar BEM maior que Jogos Vorazes e Divergente, por exemplo.


Ah, mais uma coisa: gurias provavelmente chorarão com o final desse livro. Eu avisei!

Os direitos de adaptação da trilogia foram comprados pela CBS Films, mas até o momento não há nenhuma previsão de quando iniciarão os preparativos para transformar Legend em um filme.

Avaliação final:
Trilogia Legend

1° livro - Legend

2° livro - Prodigy
3° livro - Champion

8 de set de 2014

Resenha: Coração de Aço - Brandon Sanderson

Título: Coração de Aço
Original: Steelheart
Série: Executores/The Reckoners #1
Autor: Brandon Sanderson
Páginas: 384
Editora: Aleph (novembro de 2016)

Sinopse: Tudo começou com Calamidade, que surgiu nos céus como uma estrela de fogo, e que ninguém sabe o que é realmente: seria algo alienígena, ou então um experimento do exército norte-americano? Seus efeitos, entretanto, podem ser sentidos algum tempo após seu surgimento: pessoas comuns passam a ter poderes que desafiam as leis da física e da lógica. Parece que uma nova era está para surgir. E surge: os nomeados Épicos não apenas se tornam poderosos, mas também ganham uma sede insaciável de poder e parecem perder toda sua humanidade no processo, deixando o resto da população à mercê de suas vontades e caprichos. Dentre eles o mais poderoso é Coração de Aço, um ser invulnerável a qualquer tipo de ataque e com capacidade de manipular e transformar objetos inorgânicos em metal, que decide tomar a cidade de Chicago e ali estabelecer seu império. Dez anos se passam e os Épicos governam com poder absoluto, com todos os direitos e nenhum dever, se apossando de tudo o que querem a seu bel-prazer, e matando aqueles que ousam desafiá-los. Não existe nada e ninguém que possa impedi-los. A exceção a essa regra são os Executores, humanos normais, munidos de tecnologia de ponta que se utilizam de táticas de guerrilha para derrubar e matar o maior número possível de Épicos. O sonho de David, um jovem criado em um orfanato/fábrica de Nova Chicago é juntar-se aos Executores e destruir Coração de Aço, o homem que matou seu pai e mudou sua vida para sempre.

Coração de Aço é o 1º livro da trilogia Executores, escrita pelo autor Brandon Sanderson. A Aleph publicou a obra em novembro de 2016, mas essa resenha foi feita a partir da versão americana.

Como vocês leram na sinopse acima, David é o personagem principal da trama e passou por situações difíceis até chegar aos seus 18 anos, quando é "expulso" da fábrica onde trabalha. Desde os 8 anos, quando Coração de Aço, um dos Épicos (pessoas comuns que passaram a ter poderes variados após um evento conhecido como Calamidade) mais poderosos existentes, assumiu o poder na cidade de Newcago e ainda por cima matou um familiar do protagonista, David estuda-o para saber as suas fraquezas e um dia ser capaz de matá-lo.


E é na cidade de Newcago, totalmente coberta por aço do chão até o mais alto dos prédios e agora dominada por Coração de Aço, que David encontra um grupo de pessoas especializada em matar Épicos. Os Executores são pessoas normais que se juntaram a fim de destruir todo e qualquer Épico que aparecer no caminho. Utilizando-se de tecnologia e armamentos especiais, eles traçam planos para aproveitar-se da fraquezas dos supervilões e aniquilá-los. Essa "gangue" é formada por Prof, Megan, Abraham, Tia e Cody, membros totalmente diferentes entre si e com habilidades específicas que os tornam fundamentais no andamento das missões.

É muito legal ver a evolução do David ao longo do livro e perceber que todos aqueles anos que ele passou estudante sobre os Épicos o tornaram uma pessoa especialista em detectar pontos fortes e fracos no inimigo, sendo isso o ponto principal para que fosse recrutado pelos Executores, além, é claro, do seu desejo de vingança. Além de David, todos os personagens foram bem utilizados, principalmente David e Prof, os quais guardam várias surpresas para quem se aventurar nessa obra.



Quanto aos diversos vilões da trama, é incrível a diversidade de poderes e habilidades de cada um. Alguns, como Punho da Noite, o responsável pela escuridão eterna em Newcago, podem controlar e criar sombras noturnas para enfrentar seus inimigos. Outros, como Tormenta de Fogo, podem criar ilusões, e Confluência, capaz de controlar energia. Esses e vários outros lhes serão apresentados e todos possuem o seu grau de importância no enredo.

Todo capítulo é elétrico, intenso, tem alguma coisa importante acontecendo, é difícil demais parar de ler quando a narrativa segue esse estilo. Já terminava um capítulo sabendo que no próximo tinha mais, aí não havia o que fazer, era tentar descobrir o que aconteceria o mais rápido possível! Esse livro é um típico blockbuster americano, com cenas de ação e humor a todo o momento, mantendo a atenção do leitor sempre em um nível elevado.

O final é totalmente fora de série e, digamos assim, bem inesperado. Muitas revelações são feitas, coisas que eu nem imaginava ao longo do livro e que só ao final fizeram-me realmente perceber como eu havia deixado passar bastante coisa. Só tenho uma coisa a dizer sobre esse livro: LEIAM O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL! O inglês do Brandon é muito tranquilo de se entender e não há muita gíria. Diversão garantida durante toda a leitura, podem confiar!

Avaliação final:


The Reckoners:
Livro 1 - Coração de Aço
Livro 1.5 - Mitosis
Livro 2 - Tormenta de Fogo
Livro 3 - Calamidade

2 de set de 2014

Resenha: O Cavaleiro dos Sete Reinos - George R. R. Martin


Título: O Cavaleiro dos Sete Reinos
Original: Knight of Seven Kingdoms
Série: As Aventuras de Dunk e Egg #01
Autor: George R. R. Martin
Páginas: 416
Editora: LeYa (janeiro de 2014)

Sinopse: Duzentos anos após a Conquista, a dinastia Targaryen vive seu auge. Os Sete Reinos de Westeros atravessam um tempo de relativa paz, nos últimos anos do reinado do Bom Rei Daeron. É neste cenário que Dunk, um menino pobre da Baixada das Pulgas, tem uma chance única: deixar a vida miserável em Porto Real para se tornar escudeiro de um cavaleiro andante. Quando adulto, o cavaleiro morre e Dunk decide tomar seu lugar e fazer fama no torneio de Campina de Vaufreixo. É quando conhece Egg, um menino de dez anos, cabeça totalmente raspada, que é muito mais do que aparenta ser. Dunk aceita Egg como seu escudeiro e, juntos, viajam por Westeros em busca de trabalho e aventuras. Uma grande amizade nasce entre eles – uma amizade pela vida toda, mesmo quando, anos mais tarde, os dois personagens assumem papéis centrais na estrutura de poder dos Sete Reinos. As aventuras de Dunk e Egg trazem para os fãs de As Crônicas de Gelo e Fogo a oportunidade única de vivenciar outro momento da história de Westeros, de conhecer e analisar fatos que teriam desdobramentos noventa anos depois, na guerra dos tronos.
Nada como degustar novamente uma obra de um dos meus autores favoritos: George Martin. O Cavaleiro dos Sete Reinos se passa quase um século antes dos acontecimentos de A Guerra dos Tronos e possui três contos, todos eles protagonizados por Dunk e Egg, dois personagens que vocês certamente gostarão de conhecer mais. Pois bem, vamos às três histórias:

Em O Cavaleiro Andante, somos apresentados a Dunk, há pouco tempo nomeado cavaleiro por sor Arlan de Centarbor, seu antigo senhor e que acabara de morrer. Em suas andanças, acaba encontrando o garoto Egg (atenção com ele!) em uma estalagem e o convida para ser seu escudeiro. Ambos decidem partir para um torneio em Vaufreixo em busca de ouro e um pouquinho de fama. Lá, entram em grandes apuros e temos direito a uma grande narrativa de uma justa com 7 cavaleiros em cada lado, todos lutando pelo que imaginam ser correto.

No segundo conto, de nome A Espada Juramentada, ambientado praticamente um ano após o conto anterior, Dunk, agora Sor Duncan, O Alto, e Egg estão juramentados e sobre o serviço de Sor Eustace Osgrey, um homem de uma família tradicional, mas há muito tempo quebrada e agora praticamente sem importância na Campina. Aqui, Dunk precisa resolver assuntos particulares com uma senhora vizinha e conta com o perigo constante de um ataque ao território de Sor Eustace. Um combate singular coroa esse conto e aqui já podemos ver um pouco do estilo de Martin, com várias intrigas básicas e algum sangue sendo derramado, tudo com aquela narrativa típica do autor. Além disso, vários flashbacks sobre a Rebelião Blackfyre e seu final na Batalha do Capim Vermelho nos são apresentados nesse conto e é muito legal e interessante saber mais sobre esse momento importante da história de Westeros e suas consequências.

O terceiro e último conto, O Cavaleiro Misterioso, fecha com chave de ouro a obra e nos traz o grande estilo que Martin sempre impôs em seus livros, sempre povoado por intrigas políticas e seus desdobramentos. A caminho do Norte, Dunk e Egg acabam parando num torneio em homenagem ao casamento do Senhor Butterwell de Alvasparedes com uma Frey, cujo prêmio é um ovo de dragão petrificado. Cada página desse conto é intrigante, tudo pode ser considerado traição e nossos protagonistas parecem estar diretamente envolvidos, mesmo sem ter desejado.

Nessa obra, George Martin aproveita-se de uma linguagem mais simples e bem mais tranquila do que a utilizada nas Crônicas de Gelo e Fogo, tornando a leitura mais rápida e igualmente gratificante. Foi bem divertido ler em todo capítulo "cala a boca ou quer um tapão na orelha?" vindo de Dunk e a leve arrogância de Egg. Devo admitir que ambos formaram uma dupla hilária e que com certeza agradará a todos os leitores.

Enfim, O Cavaleiro dos Sete Reinos é uma leitura obrigatória para todos os fãs de George Martin e você certamente apreciará as aventuras de nossos amigos Dunk e Egg. Vale a pena investir e conhecer mais sobre o passado de Westeros.

Avaliação final:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...