5 de dez de 2015

A JORNADA DE UM DESBRAVADOR

Para você aí, que está lendo essa postagem nesse exato momento, sinta-se abraçado e agradecido!

É chegada a hora de colocar espada e escudo de lado e partir para outras aventuras. Todo blogueiro teme por esse momento e sabe que um dia ele chegará, e comigo não foi diferente. Já não sinto mais a mesma vontade de postar que eu tinha há alguns meses/anos, e sinto que novos caminhos me esperam.
Foram mais de 95 resenhas e incríveis 234.000 acessos ao blog, 3 anos e meio ao lado do leitor, tentando sempre dar uma opinião sincera e bem-humorada sobre as obras que leio,  passando a sensação exata que eu tive ao virar as páginas do livro.
Desde as primeiras postagens até as últimas que eu fiz, vocês não imaginam a alegria que eu sentia quando recebia um e-mail avisando que havia um comentário novo nas resenhas. Saber que alguém leu o seu texto e tem algo a compartilhar contigo é uma sensação única, e eu agradeço imensamente a todos os 1646 (!!!) comentários até o momento. Respondi a todos com carinho profundo e gratidão eterna!


Vocês poderão me encontrar sempre que quiserem nas redes sociais para leitores Goodreads e Skoob, pois lá eu continuarei atualizando as minhas leituras e fica bem mais fácil de me contatar, além de poder acompanhar o que eu estarei lendo e dividir nossas opiniões. Caso ainda apareçam comentários nas mais de 280 postagens do Desbravando Livros, também responderei, é claro, jamais deixarei os leitores na mão.

Também indico a todos vocês o grupo Livros de Fantasia e Aventura no Facebook, que é conhecido nacionalmente como um dos maiores e melhores grupos para se discutir sobre todos os livros do gênero, além de abordar também ficção histórica, sci-fi, suspense, etc. Recomendo fortemente.

Enfim, acho que era isso. Um abraço a todos os leitores do blog que estiveram comigo nesse tempo e um gigante obrigado por todo apoio que me deram nessa caminhada. Desbravar é preciso!

28 de out de 2015

Resenha: Os Senhores dos Dinossauros - Victor Milán

Título: Os Senhores dos Dinossauros
Original: The Dinosaur Lords
Série: Os Senhores dos Dinossauros/The Dinosaur Lords #1
Autor: Victor Milán
Páginas: 480
Editora: DarkSide Books (setembro de 2015)

Sinopse: Em “Os Senhores dos Dinossauros”, Victor Milán consegue materializar um sonho que milhares de leitores compartilham secretamente desde a infância: cavalgar os gigantes répteis pré-históricos, como o terrível Tiranossauro Rex. O romance se passa no Império da Nuevaropa, um continente claramente inspirado na Europa do século XIV. Cultura e costumes, religião, conflitos políticos, tecnologia e armamento são compatíveis com o último período da Idade Média. Mas neste mundo, construído pelos Oito Criadores, os dinossauros também fazem parte do arsenal de guerra. Os Senhores dos Dinossauros é o primeiro livro de uma Trilogia desenvolvida por Victor Milán, autor de mais de 100 romances de ficção científica e fantasia. Ele também é um dos fundadores e coescritores do projeto Wild Cards, de Melinda M. Snodgrass e George R. R. Martin. O autor de Guerra dos Tronos, amigo pessoal de Milan, define o que os leitores podem esperar de Os Senhores dos Dinossauros: “É como um encontro de Jurassic Park com Game of Thrones.”

Um dos lançamentos mais aguardados do ano de 2015 no Brasil e mundo afora, Os Senhores dos Dinossauros chegou até nós pelas mãos da editora DarkSide Books no mês de setembro de 2015.

O livro nos apresenta diversos personagens e um prólogo, no mínimo, estranho à primeira vista. Um garoto pastoreia um "rebanho" de dinossauros enquanto um mítico Anjo Cinza aparece e diz para ele esquecer que o viu, apenas "lembre-se quando for convocado a se lembrar". Desmaiando logo em seguida e acordando um pouco depois, o garoto percebe que seu rebanho está disperso e que o tal Anjo sumiu. Será que a visão era real? O que são esses Anjos Cinzas? Ao longo da obra temos algumas pistas, mas gostaria de ter visto mais sobre eles, é o que posso adiantar a vocês.

Logo após, no capítulo 1, a ação realmente começa. Somos jogados em meio à uma batalha entre os Príncipes Rebeldes e os mercenários contratados pelo famoso imperador Felipe Delgao. Imaginamos pela 1ª vez os temidos dinossauros sendo usados como montaria de combate e responsáveis por mudar o destino da batalha, onde nos vemos envolvidos em uma conspiração que parece ter matado um dos maiores senhores de dinossauros que existem, o voyvod Karyl Bogomirskiy, comandante mercenário da Legião do Rio Branco. Também conhecemos Jaume Llobregat, o Conde das Flores, duque Falk von Hornberg e seu tiranossauro rex albino Floco de Neve, e por fim o plebeu Rob Korrigan, que é também um menestrel e um senhor dos dinossauros.

“Guerras começam quando você quer, mas não acabam quando você deseja.”

Confesso que essa ideia de iniciar o livro já dentro de uma batalha parece sempre interessante e corajosa, mas aqui ela ficou meio confusa e só depois de umas 50 páginas deu pra entender o que realmente tinha acontecido e o que estava por vir. Isso acabou deixando o ritmo do livro meio "quebrado", eu não conseguiu me situar tão bem nos fatos e só após vários capítulos a leitura começou a ficar mais agradável/atrativa e o leitor é inserido aos poucos nas tramas da corte.

Jaume é o Capitão General da Ordem dos Companheiros de Nossa Senhora do Espelho, o típico cavaleiro dos sonhos, honesto e honrado, sempre preocupado com os seus subordinados e as pessoas ao seu redor. Algumas cenas de combate em que ele aparece são muito boas, então fique de olho.
Gostei de algumas coisas nesse livro, principalmente as partes em que Karyl e Rob estão juntos, que costumam ser as mais engraçadas, mas não curti tanto as intrigas da corte, com a princesa Melodía, filha do imperador Felipe, sendo a personagem principal na maioria dos capítulos, uma guria viciada em sexo (ela e todas suas amigas, vou te contar...) e que tenta frear um pouco as ações do pai, que parece estar se envolvendo em grandes problemas. Muita coisa acabou ficando em aberto ao término do livro, e eu acho que umas 30-50 páginas a mais teriam ajudado bastante mesmo.

Queria ter visto um pouquinho mais sobre os dinossauros também. Eles acabaram não sendo tão protagonistas como eu pensava, apesar de terem lá os seus momentos de grande importância.

Conforme avançamos na narrativa, já dá pra se ter uma ideia do que vai acontecer no final, o que acaba estragando um pouco a surpresa. Muita treta parece estar a caminho no 2º livro, então talvez eu o leia por que realmente não gosto de deixar uma série pelo caminho, sabendo que ela pode evoluir e melhorar bastante o que não foi tão bom nesse volume inicial.

Escrito em 3ª pessoa, destaco também que a linguagem utilizada pelo autor no livro é bem adulta, com algumas cenas chocantes e de teor mais forte. MUITOS dos personagens têm tendências bissexuais, o que não é tão comum assim de se ver na maioria dos livros desse gênero fantástico.

“O que sempre insisti”, Karyl prosseguiu, “foi em fazer o meu melhor e continuar fazendo até que seja, ao menos, competente. Há muito tempo aprendi que parar conquistarmos qualquer coisa, é preciso começar. Ou passar a eternidade esperando o momento certo. Que nunca chega.”

Um porém: a revisão ficou muito mal feita, com várias palavras erradas saltando aos olhos, e isso aconteceu muitas vezes durante a leitura. A tradução também ficou um pouco estranha, acredito que ler na versão original, em inglês, possa ser a melhor opção para quem se interessar pela obra. A edição em capa dura, ao contrário, ficou extremamente bonita, com várias ilustrações internas. Só senti a falta de um mapa que estava na versão original e a DarkSide acabou não colocando.

Enfim, esse 1º volume da série não me agradou tanto quanto eu gostaria, mas o autor deixou algumas pontas soltas durante a narrativa e eu imagino que elas sejam bem/melhor exploradas no livro seguinte, intitulado The Dinosaur Knights, que deve ser lançado internacionalmente em 2016.

Avaliação final:

Os Senhores dos Dinossauros:

1º livro - Os Senhores dos Dinossauros
2º livro - The Dinosaur Knights (lançamento em 2016)
3º livro - The Dinosaur Princess (título a ser confirmado)

17 de out de 2015

Resenha: Guerreiros da Tempestade - Bernard Cornwell

Título: Guerreiros da Tempestade
Original: Warriors of the Storm
Série: Crônicas Saxônicas/Saxon Stories #9
Autor: Bernard Cornwell
Páginas: 350
Editora: Record (8 de agosto de 2016)

Sinopse: Filhos do falecido rei Alfredo, Eduardo e Æthelflaed já dominam a maior parte do território saxão. Seus exércitos conquistam e garantem a soberania por onde passam. Mas isso não impede que os incansáveis nórdicos realizem constantes ataques aos seus reinos. Uhtred de Bebbanburg comanda a guarnição do burh de Ceaster, uma poderosa fortaleza no norte da Mércia construída pelos romanos. O poder da senhora Æthelflaed na região se expande, o que atrai olhos cobiçosos. Ragnall, o Cruel, reúne forças irlandesas e nórdicas no maior exército que jamais ameaçou o universo saxão. Com isso, a solução de Æthelflaed é colocar suas forças no interior de Ceaster para resistir aos ataques inimigos. Porém, quem será capaz de manter Uhtred entre as paredes de um burh quando sua filha, casada com Sigtryggr, irmão e inimigo de Ragnall, é colocada em perigo? Na luta entre deveres familiares e lealdade aos seus guerreiros, entre ambições pessoais e compromissos políticos, não há um caminho fácil. Mas um homem com a coragem de um verdadeiro guerreiro é capaz de trilhá-lo. Este homem é Uhtred, e este momento é decisivo para seu destino.

Essa resenha contém spoilers dos livros anteriores.

Como já é de praxe, no momento em que o autor Bernard Cornwell lança um livro novo das Crônicas Saxônicas/Saxon Stories eu já vou correndo atrás e tento ler o mais cedo possível, já que essa é minha série favorita e Uhtred de Bebbanburg é o personagem que mais gosto. O único problema depois disso tudo é ter que esperar mais um ano pela sequência, mas faz parte. hahaha

Depois de defender a fortaleza de Ceaster contra os ataques dos noruegueses liderados por Sigtryggr no final do volume anterior (O Trono Vazio), Uhtred e seus guerreiros têm uma nova ameaça à frente: o irmão de Sigtryggr, Ragnall Ivarson, um viking poderoso e que comanda única e simplesmente pelo medo (Kjartan 2), pronto para saquear as terras da Mércia e atrapalhar o sonho do já falecido Alfredo de juntar os reinos existentes e formar a Inglaterra que ele tanto queria.

Drakkar at night, by joaomachay
“Ragnall Ivarson. Eu nunca me encontrei com ele, mas eu o conhecia. Sabia de sua reputação. Nenhum homem navegava melhor um navio, nenhum homem lutava mais ferozmente, nenhum homem causava mais terror. Ele era um selvagem, um pirata, um rei de lugar nenhum.”

Velhos conhecidos aparecem e temos alguns dos seus destinos selados. Pessoas que eu nem lembrava direito onde estavam e o que faziam, mas que entraram no caminho de Uhtred por bem ou por mal e o nosso saxão terá negócios para resolver. Negócios sangrentos, digamos assim.

As descrições das paredes de escudos estão fenomenais, como sempre, e foi exatamente nesse quesito tão importante que o autor apostou para retomar a excelente narrativa do 7º livro, O Guerreiro Pagão. Narrativa essa que acabou se perdendo um pouquinho no seguinte, que acabou não sendo um dos melhores volumes da série. Warriors of the Storm não tem esse problema e os leitores podem ficar tranquilos quanto a isso, já que a carnificina rola solta e desenfreada por aqui.

Schiltrom, por xenos60
“Trinta passos, vinte, e você pode ver os olhos dos homens que tentarão te matar, e ver as pontas das lanças, e o instinto te diz para parar, apertar os escudos. Nós nos contraímos durante a batalha, o medo enterra suas garras em nós, o tempo parece parar, há silêncio mesmo que milhares de homens gritem, e naquele momento, quando o terror ataca o coração como uma besta enjaulada, nós devemos nos jogar para dentro daquele horror. Porque o inimigo sente o mesmo. E você veio matá-lo. Você é o demônio dos seus pesadelos."

Tive algumas sensações nostálgicas durante a leitura, relembrando bastante do Uhtred lá dos 2-3 primeiros livros, que desobedecia todo mundo e fazia o que bem entendia. Dessa vez, novas ordens não são cumpridas e elas acabam trazendo algumas consequências. Tudo pela família, diga-se de passagem. Só que dessa vez Uhtred é um senhor da guerra, experiente, com reputação a mente, com pessoas a seu serviço e que dependem da sua palavra, e qualquer ameaça à sua família, por menor que seja, é considerada um ultraje sem precedentes e não deve jamais ser ignorada.

“Eu o faria gritar e assistiria enquanto sangrava, cortaria sua carne fresca em pedaços antes de me preocupar com Æthelflaed. Isso era pela família. Isso era por vingança.”

Outro que é sempre bom ver por perto é Finan, que Uhtred conheceu há muito tempo no período em que era escravo. O irlandês é um lutador exímio e deixará sua marca em combates singulares.

Um dos pontos importantes a se destacar é a grande evolução de Uhtred ao longo de toda a série. Agora mais velho, com quase 60 anos, ele não tem o mesmo físico de antes e não tem como ser o primeiro cara a pular uma muralha, é mais lento que muitos dos seus adversários, mas compensa os seus defeitos com a sua experiência de anos na primeira linha das paredes de escudos dos saxões.

Uhtred, por Yago Oliveira

Muitos por aí dizem que ele é apenas um personagem com a profundidade de uma poça d’água, mas enganam-se ao não notar que as suas preocupações ao longo dos livros mudam constantemente, além de ter sempre aquela questão de gostar mais dos dinamarqueses do que dos próprios saxões.

As piadinhas com os padres continuam e são sempre hilárias, disso o leitor jamais poderá reclamar.

“Você é cristão?”     “Mas é claro!”     “Você acredita em milagres?” eu perguntei, e ele concordou. “Então é melhor você pegar os seus cinco pães e dois peixes,” continuei, “e rezar para que o seu deus miserável providencie o resto.”

Repleto daquele humor irreverente e das batalhas que tanto amamos ver nos livros de Bernard Cornwell, Warriors of the Storm é leitura obrigatória para todos os fãs das Crônicas Saxônicas e deve ser feita o quanto antes. O destino é inexorável, diriam alguns, e Uhtred parece estar se aproximando cada vez mais de Bebbanburg, a fortaleza na Nortúmbria que é sua por direito.

A edição brasileira do nono livro da série só deve chegar ao Brasil no 2º semestre de 2016, mas até lá temos o seriado baseado na série e que a BBC está produzindo. Intitulado The Last Kingdom, iniciou-se em 10 de outubro. Recomendo fortemente que todos vocês assistam o quanto antes!

Avaliação final:

Crônicas Saxônicas:

1º livro - O Último Reino
5º livro - Terra em Chamas
6º livro - Morte dos Reis
7º livro - O Guerreiro Pagão
8º livro - O Trono Vazio
9º livro - Guerreiros da Tempestade
10º livro - The Flame Bearer
...

3 de out de 2015

Resenha: Os Ossos das Colinas - Conn Iggulden

Título: Os Ossos das Colinas
Original: Bones of the Hills
Série: O Conquistador/Conqueror #3
Autor: Conn Iggulden
Páginas: 490
Editora: Record (2010)

Sinopse: Gêngis Khan é o poderoso líder de uma nação fruto da união de diversas tribos e guerreiro vitorioso na longa campanha contra os jin. Agora o inimigo surge do oeste: suas caravanas são expulsas e seus homens, mortos ou mutilados. Assim, Gêngis e seus exércitos, liderados por seus filhos e irmãos e outros generais de confiança, embarcam em uma grande viagem através dos atuais Irã e Iraque e pela costa do Mediterrâneo. Conquistando cidade após cidade, um império após o outro, por meio da guerra, do medo e da persuasão, o poder mongol domina toda a região. O grande cã ergueu um império maior do que qualquer outro já visto. Durante essas campanhas, seus filhos e irmãos disputavam o favoritismo, o direito de liderar o mais bem-sucedido exército e de realizar as maiores conquistas, para ser escolhido como sucessor. Gêngis já provou ser um grande guerreiro. Agora, seu desafio é mostrar-se um governante e líder excepcional para seu povo, alguém que possa coordenar a transição de poder sem sobressaltos. Das terras férteis dos jin até as áridas rochas do Afeganistão, Iggulden tece um épico sobre o conquistador mais enigmático da história, aqueles que o temiam, aqueles que o desafiaram e aqueles cujos ossos deixou para trás. Os Ossos das Colinas é o terceiro volume de O Conquistador, série que reconstrói a saga de Gêngis Khan e de seus descendentes.

Essa resenha contém alguns spoilers do final desse livro e também dos livros anteriores.

Após devastar boa parte do território chinês, Genghis Khan mira suas atenções mais ao sul e ao oeste, onde a maioria dos povos islâmicos/muçulmanos estão. Tudo começou com a morte de patrulheiros enviados por Genghis a terras distantes. Com a sua morte, o líder mongol não pode deixar essa ameaça de lado e precisará reunir todas as forças para marchar contra o novo inimigo.

Importante situar o leitor de que esse 3º volume de O Conquistador se inicia três anos após o 2º, quando Genghis envia seus vários generais a várias direções para que conquistem novos lugares.

Essa situação é perfeita para entendermos um pouquinho mais da mente daquele que é considerado o maior conquistador de toda a História: não é permitido ameaçá-lo e esperar sair impune, como foi visto no 2º livro, quando o imperador chinês quebra um acordo com os mongóis e fogem, deixando a sua fortaleza para trás, só para que Genghis e seus guerreiros a queimassem até o chão.

— Eu vim a estas terras porque, quando um homem me ameaça e eu desvio o olhar, ele tirou algo importante de mim. Se eu lutar e morrer, tudo que ele pode tomar é minha vida. Minha coragem e minha dignidade permanecem. Devo fazer menos pela nação que criei? Devo permitir a meu povo menos honra do que reivindico para mim?

Uma das grandes diferenças dessa obra para as demais é que os filhos do grande khan estão crescendo e começando a assumir funções importantes dentro do exército mongol, como o comando das tumans, formações com 10.000 mongóis. E, com esse crescimento, voltam à tona as brigas por poder. Jochi pode não ser filho de Genghis e sim de um estupro que a sua esposa sofreu na infância, e isso reflete diretamente no modo como Genghis o trata e na relação de Jochi com Chagatai, o filho seguinte do khan. Preparem-se para ler sobre momentos bem intensos envolvendo esses dois.

O choque cultural apresentado em Os Ossos das Colinas também merece ser notado, visto que diversas regiões são invadidas durante o período, como a Rússia, Afeganistão, Irã, etc. E, com isso, novas táticas de batalha também são apresentadas. Ao longo de suas campanhas, Genghis reuniu engenheiros das mais variadas nacionalidades que começaram a construir armas de cerco, já que as planícies frias da terra natal dos mongóis ficaram para trás, dando lugar às altas fortalezas dos novos povos. Achei interessante ter todos esses elementos inseridos na narrativa, já que o próprio Genghis assume em alguns momentos que a importância dessas armas de cerco foi tamanha que ele até aproveitava as semanas e os meses em que estava diante de uma fortaleza, apenas esperando que os seus habitantes se rendessem devido à fome, à sede e doenças que os acometiam lá dentro.

— Quando eu tiver morrido, não quero que os homens digam: "Vejam quanta riqueza a dele, suas cidades, seus palácios e suas roupas finas." — Gêngis fez uma pausa. — Em vez disso, quero que digam: "Certifiquem-se de que ele morreu mesmo. É um velho maligno que conquistou metade do mundo." — Ele deu um risinho, e parte da tensão se esvaiu do grupo. — Não estamos aqui para ganhar riquezas com um arco. O lobo não pensa em coisas finas, só quer que sua matilha esteja forte e que nenhum outro lobo ouse atravessar seu caminho. Isso basta.

Não posso esquecer de mencionar alguns nomes entre as fileiras do grande khan, como Tsubodai e Jebe, homens que foram crescendo aos poucos dentro do contingente mongol e se tornaram os "cães de caça" de Genghis, ao lado também dos seus irmãos Khasar e Kachiun, que mantém uma relação forte desde a infância, quando estiveram perto da morte e até tiveram que matar um dos irmãos para sobreviver, história essa que foi contada no excelente 1º livro da série, O Lobo das Planícies.

Uma das curiosidades introduzidas aqui são os assassinos, uma seita de matadores experientes contratada pelo povo muçulmano para tentar acabar com a ameaça dos mongóis na sua terra.

Narrado em 3ª pessoa, com mudanças constante de pontos de vista, a narrativa flui como os cavalos mongóis em uma planície, agradável de se ler e com elementos do cenário sempre ali presentes.

Enfim, também preciso dizer que esse volume fecha um "ciclo", digamos assim, nos livros da série. O comando precisa ser passado adiante, como sempre aconteceu em todas as nações guerreiras. Eu temia muito (!) pelo momento em que a morte de Genghis Khan chegaria, assim como todos os leitores e fãs dessa série, mesmo que os seus minutos finais estejam cercados de diversas especulações e incertezas, que vão desde a causa da sua morte até quem teria sido o responsável.

— Todos homens morrem — continuou Jelme, ignorando a explosão. — Pode ser esta noite, no ano que vem ou dentro de quarenta anos, quando você estiver desdentado e fraco. Tudo que você pode fazer é escolher como se portar quando ela chegar.

Até os tempos atuais podemos encontrar descendentes de Genghis Khan entre o povo mongol, e uma das nossas maneiras de reverenciá-lo é lendo essa obra fantástica do Conn Iggulden o quanto antes.

Por fim, só me resta recomendar esses livros a todos aqueles que são amantes de ficção histórica!

Avaliação final:

O Conquistador:

2º livro - Os Senhores do Arco
3º livro - Os Ossos das Colinas
4º livro - Império da Prata
5º livro - Conquistador

Resenha: Perdido em Marte - Andy Weir

Titulo: Perdido em Marte
Original: The Martian
Autor: Andy Weir
Páginas: 336
Editora: Arqueiro (Outubro de 2014) 

Sinopse: Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate. Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico e um senso de humor inabalável, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência. Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá. Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, alavancado por uma trama que não para de surpreender o leitor. 

Essa resenha foi feita pelo colaborador Kaue Souza.

Pela sinopse de Perdido em Marte, a ideia que se cria é a de que o livro se desenvolve em cima do "como acontece", e não o mais habitual "o que acontece". Ao fim, tudo se desenrola de uma forma lenta, a ponto de não fazer diferença, sendo essa uma das grandes falhas na construção  da obra.

A maior parte do livro é narrada em primeira pessoa pelo diário de bordo de Watney. Por lá, acompanhamos sua rotina em Marte, onde ele descreve detalhadamente como sobrevive, improvisa alimentos, máquinas e desenvolve planos para se  manter vivo em  Marte. Devido à ideia inicial dada pela sinopse, o final não parece distante, mas apenas um mistério. A dúvida de como o livro irá acabar - já que todas as 336 páginas de  Perdido em Marte parecem desnecessárias para a proposta da obra - a cada capítulo fica  mais óbvia. As mesmas paginas poderiam ter trechos cortados e reduzidos, pois ocupam boa parte só para desenvolver cálculos e teses feitos pelo Mark. A Nasa mesmo se mostrou um mistério - ocupou um espaço tão grande com tantas informações que ao final era só algo a mais e não a protagonista tão esperada no clímax final.

O Mark como personagem não consegue convencer o leitor de seus medos, problemas e dilemas em que se envolve, tudo é fácil, e a proximidade da morte não modifica isso. O humor criado pelo autor acaba funcionando como alívio cômico nas cenas de tensão, e rir da falta de sorte do personagem é inusitado. Em alguns momentos, a impressão é de que tudo foi incluído como forma de diminuir o cansaço causado por tanta informação que o autor inseriu para torná-lo mais real.


Andy é um autor inteligente e escreve de uma forma que manipula os sentimentos e a expectativa do leitor. Na obra toda é possível perceber ideias já usadas no cinema que da a impressão que o livro todo foi escrito como um pré-roteiro para ser adaptado. O desfecho pode até empolgar, mas não sai da obviedade. E a sensação, após o fim de todas as 336 páginas, é saber que, caso leia-se novamente, o impacto não será o mesmo e não ficaram pontas soltas pro futuro.
 

Avaliação final:

14 de set de 2015

Resenha: Guardas! Guardas! - Terry Pratchett

Título: Guardas! Guardas!
Original: Guards! Guards!
Série: Discworld #8; Patrulha #1
Autor: Terry Pratchett
Páginas: 339
Editora: Conrad (2005)

Sinopse: Há muito tempo dado como extinto, um magnífico e perigoso exemplar de draco nobilis (dragão nobre) apareceu na cidade de Ankh-Morpork. O visitante indesejado tem o hábito desagradável de carbonizar tudo o que aparece no seu caminho. E, pior, é coroado rei (afinal, ele não é nobre?). Enquanto isso, na estrada e restrita Universidade Invisível, um livro antigo e muito esquecido - A Evolução de Dragões - desaparece das prateleiras da Biblioteca. Desconfiados de uma conspiração político-piromaníaca, alguns bravos cidadãos (ok, nem tão bravos assim) se organizam e arriscam tudo o que possuem para destronar o monarca voador e restaurar a ordem no local. Certamente, este será o golpe de estado mais insano de que você já ouviu falar.

Depois de ter lido Pequenos Deuses, senti que precisava saber um pouquinho mais sobre Discworld, o famoso universo criado pelo já falecido autor Terry Pratchett e sucesso de vendas mundo afora.

Aqui somos apresentados à cidade de Ankh-Morpork, onde a Patrulha/Guarda Municipal atua e agora recebe o reforço do "anão" de quase 2 metros Cenoura Ironfoundersson, que acreditava estar ingressando num dos órgãos mais respeitados de todo o Disco. Ah, mas que bela e doce ilusão...

Afinal, que tipo de organização liderada por um bebum poderia dar certo? Capitão Vimes passa menos tempo sóbrio do que deveria. O Sargento Colon, num primeiro momento, parece ser o menos problemático dos guardas, mas rende boas discussões durante a leitura. Já o cabo Nobby Nobbs não tem solução, mais fuma do que respira e tem um jeitinho bem peculiar de ver o mundo à sua volta, além de precisar andar sempre com um certificado do Patrício dizendo que ele é de fato humano.

A velha Patrulha, por katzille
(Cabo Nobby Nobbs, Sargento Colon, Policial-lanceiro Cenoura e Capitão Samuel Vimes)

A trama começa a tomar forma quando os membros da sociedade secreta dos Irmãos Iluminados  e Antigos de Ee roubam um livro de dentro da Universidade Invisível, que tem um bibliotecário orangotango (!) como administrador, e agora estão tentando convocar um dragão, para que assim um herói das lendas apareça e o mate, tornando-se então o novo rei. Um rei que possa ser manipulado e faça as vontades da sociedade secreta, é claro. Só que os problemas apenas começam a aparecer quando o próprio dragão quer ser o próximo rei e soberano legítimo de Ankh-Morpork.


"Os dragões nobres não têm amigos. O mais próximo que conseguem chegar da ideia é um inimigo que ainda está vivo."

– Se todos nós dissermos que não toleramos isso, o que o dragão poderá fazer? Nobby abriu a boca. Colon tapou-a com a mão e ergueu um punho triunfante.
– É exatamente o que eu sempre disse. O povo, unido, jamais será comido!

Badernas, incêndios e confusões começam a se proliferar quando o bichano inicia seu caminho de destruição até o trono. Para dar um fim à essa ameaça, a Patrulha precisaria pensar numa solução.

Ankh-Morpork, por jameli

Importante ressaltar a importância de alguns personagens na obra, como é o caso da Lady Sybil Ramkin, que possui um criadouro de pequeninos dragões do pântano e é uma das acusadas pela destruição recente que o novo dragão está causando. Seu relacionamento estreito com um dos membros parece estar tomando forma, e um dos seus bichinhos tem um papel bem relevante ao longo das 300 e poucas páginas da obra, quando nada parecia dar certo e tudo estava perdido.

Em um lugar onde os próprios ladrões se organizam para conter os roubos (já que a Guarda Municipal não é capaz de fazer isso), fica difícil ter fé na humanidade. Pratchett brinca bem com isso, traçando vários paralelos entra uma cidade mal administrada da vida real e Ankh-Morpork, conseguindo nos inserir em um local onde a esperança parece vir a jato em cima de uma tartaruga.

– Tinha um sujeito que nós vimos fazer um roubo uma noite – disse Colon, sentindo-se infeliz. – Bem na nossa frente! E o capitão Vimes, ele disse: “Vamos”, e nós corremos, só que a questão é que não se deve correr rápido demais, sabe. Ou você pode apanhá-los. Gera vários tipos de problemas, apanhar as pessoas...

Essa obra serve praticamente como uma homenagem a todas as pessoas, assim como  o novato Cenoura, que tentam fazer o certo em um ambiente onde todo tipo de solução acaba encontrando um obstáculo, algo extremamente parecido com o sistema público brasileiro atual, por exemplo. Pessoas que não deveriam estar no cargo e não tem a mínima qualificação para isso são encontradas aos montes em Ankh-Morpork, desde alguns integrantes da Patrulha até os habitantes do Palácio, onde o Patrício tomava conta até a chegada do dragão virar tudo do avesso na cidade.

Guardas! Guardas! 2.0, por SharksDen

Guardas! Guardas! não tem o mesmo humor irreverente de Pequenos Deuses, por exemplo, mas é uma leitura obrigatória para se entender mais sobre como as coisas funcionam em Ankh-Morpork e dar umas boas risadas enquanto os vários personagens da Patrulha tentam resolver os problemas.

"Sabe, a única coisa que as pessoas boas fazem bem é combater as pessoas más. E você é bom nisso, sou obrigado a admitir. Mas o problema é que isso é a única coisa que você faz bem. Um dia tocam-se os sinos e derruba-se um tirano cruel, e no dia seguinte todos estão reclamando porque, desde que o tirano foi derrubado, ninguém mais recolhe o lixo. Porque as pessoas más sabem planejar. Faz parte da definição, pode-se dizer. Todo tirano do mal possui um plano para dominar o mundo. As pessoas boas parecem não levar jeito."

Não espere nada de surpreendente em Guardas! Guardas!, mas tenha certeza que você irá se divertir bastante e irá querer saber mais sobre o que acontece com os membros da Patrulha. No futuro também quero ler as obras iniciais de Discworld, como A Cor da Magia e A Luz Fantástica

Avaliação final:

Discworld:

1º livro - A Cor da Magia
2º livro - A Luz Fantástica
3º livro - Direitos Iguais, Rituais Iguais
4º livro - O Aprendiz de Morte
5º livro - O Oitavo Mago
6º livro - Estranhas Irmãs
7º livro - Pirâmides
8º livro - Guardas! Guardas!
9º livro - Fausto Eric
10º livro - A Magia de Holy Wood
11º livro - O Senhor da Foice
12º livro - Quando as Bruxas Viajam
13º livro - Pequenos Deuses
14º livro - Lords and Ladies
14.5º livro - Theatre of Cruelty
15º livro - Men at Arms
...

5 de set de 2015

Resenha: O Tigre de Sharpe - Bernard Cornwell

Título: O Tigre de Sharpe
Original: Sharpe's Tiger
Série: As Aventuras de Sharpe/Sharpe #1
Autor: Bernard Cornwell
Páginas: 406
Editora: Record (2005)

Sinopse: Misore, Índia, 1799. Richard Sharpe é um jovem recruta a serviço da realeza britânica e integrante da expedição para derrubar o impiedoso sultão Tipu, no poder com a ajuda dos aliados franceses. Acusado de insubordinação por seu superior, o sargento Hakeswill, Sharpe acaba destacado para uma perigosa missão: infiltrar-se na intransponível Seringapatam, cidade-fortaleza do líder indiano. Fingindo-se de desertor, o jovem soldado deve contatar um espião escocês aprisionado e descobrir a melhor maneira de o exército britânico conquistar a cidade. Caso seja bem-sucedido, Sharpe ganhará as divisas de sargento. Entretanto, se fracassar, ficará frente a frente com os assustadores tigres de Tipu. Em um mundo exótico e estranho para o recruta, um passo em falso significará a morte. A situação complica-se ainda mais quando o jovem espião descobre que deve lutar contra seus velhos camaradas para salvar a própria vida. O tigre de Sharpe é o emocionante livro de estréia protagonizado pelo oficial britânico Richard Sharpe, que participará de conflitos na costa de Portugal e Espanha até a derrota do exército napoleônico em Waterloo. Os livros da série As Aventuras de Sharpe já venderam mais de 4 milhões de cópias no mundo todo e tornaram-se seriado de televisão na Inglaterra.

Como fã do Bernard Cornwell, não poderia deixar de ler Sharpe, uma das séries mais recomendadas do autor e que sai um pouco daquele período medieval que o Cornwell costuma abordar nas suas outras obras. As Aventuras de Sharpe passam-se durante o período das Guerras Napoleônicas, quando Inglaterra e França travavam batalhas ferrenhas para decidir quem era o país mais forte.

O Tigre de Sharpe introduz ao leitor o personagem principal Richard Sharpe, um recruta da Companhia Ligeira do 33º Regimento do rei que encontra-se atualmente na Índia, mais precisamente indo em direção à imponente fortaleza de Seringapatam, uma importante rota de comércio da região, que agora está sob o domínio do famoso sultão Tipu, que recentemente aliou-se aos franceses e agora precisará defender o local com unhas e dentes contra a invasão inglesa.


Pensando em desertar e levar sua amada Mary consigo, Sharpe acaba se envolvendo (infantilmente) em uma briga com o sargento Hakeswill, seu superior, e é condenado a levar 2.000 chicotadas (morte certa), punição essa que acaba não sendo totalmente feita, pois Sharpe é convocado pelo alto escalão e recebe uma missão urgente: infiltrar-se na fortaleza de Seringapatam e encontrar um espião escocês que tem informações extremamente úteis ao exército inglês, que precisa derrubar logo a fortaleza, pois as monções estão chegando e podem atrapalhar muito o seu avanço.

"Era por causa disso que pensava tanto em abutres. Estava pensando que queria fugir, mas que não queria servir de comida para os abutres. Não queria ser capturado. Essa era a regra número um do exército, e a única que importava. Porque se você fosse apanhado os bastardos ou açoitavam-no até a morte ou reorganizavam suas costelas com balas de mosquete. E, de um jeito ou de outro, os abutres esbaldavam-se."

Hakeswill acaba sendo o grande vilão desse livro, fazendo de tudo para que Sharpe se ferre e seja expulso do exército/morto. O sargento acaba sendo um homem de humor extremo, mas de uma vontade maior ainda de acabar com a alegria dos homens. Dei algumas risadas com ele durante a leitura, mas na maior parte do tempo senti um ódio extremo e vontade de espancá-lo. hauhuahua


Narrado em 3ª pessoa por vários pontos de visto, mas principalmente o de Sharpe, essa obra começa com um ritmo bem cadenciado, apresentando ao leitor os vários personagens que integram o lado inglês e o lado do sultão Tipu, enquanto vamos nos acostumando com o vocabulário particular da época, principalmente no que se relaciona ao arsenal, como baionetas, alabardas, mosquetes e assim por diante. Tudo muito bem feito, afinal, Cornwell é um autor mestre em ficção histórica, mesmo que alguns acontecimentos narrados não sejam verídicos, onde Cornwell tomou uma certa liberdade para criá-los e tornar O Tigre de Sharpe uma ótima leitura sobre o período desbravado.

Quando eu pensava que o ritmo iria manter-se até o final, eis que novas perspectivas aparecem, começamos a entender as motivações dos personagens, principalmente Tipu, um homem a ser admirado até mesmo por seus inimigos, além das relações meio conturbadas que os muçulmanos e os hindus têm um com o outro, ameaçando o destino dos milhares de habitantes de Seringapatam.

E é dentro da fortaleza que Sharpe mostra o seu grande potencial como soldado, tomando decisões arriscadas e muitas vezes contradizendo um de seus próprios superiores, o que pode ser entendido inicialmente como um sinal de rebeldia, mas revela aos outros a sua excelente visão estratégica.

A tomada de Seringapatam
"Seus homens uivavam com ele. Estavam contagiados pela loucura de Baird. Nesse momento, enraivecidos pelo calor inclemente e embriagados pela araca e pelo rum bebido durante a longa espera nas trincheiras, os casacas vermelhas eram deuses da guerra. Ofertavam morte com impunidade, enquanto desciam uma muralha ensanguentada seguindo um escocês enlouquecido. Baird conquistaria esta cidade ou morreria em sua poeira."

Inicialmente focando mais nas estratégias nas estratégicas militares do que no desenvolvimento dos personagens, temos aqui uma boa opção para quem gosta do tema e quer algo agradável de se ler.

As partes finais de O Tigre de Sharpe são excelentes, com uma tensão crescendo envolvendo o destino de Richard Sharpe e seus companheiros mais próximos, todos ao alcance de Tipu, um líder militar que é reconhecido até hoje quando se fala sobre o período das Guerras Napoleônicas, sem contar que os seus famosos tigres estão presentes na narrativa, com um papel de grande destaque.

As Aventuras de Sharpe é uma série composta por mais de 20 livros, sendo que, lá fora, eles foram lançados em ordem não-cronológica, diferentemente daqui do Brasil, onde a editora Record resolveu publicá-los na ordem cronológica, o que eu imagino ser uma decisão que faz mais sentido.

Certamente lerei os volumes seguintes, pois Sharpe é um personagem característico de Cornwell, com muitas qualidades e vários defeitos, mas impossível de não gostar. E que venha o próximo!

Avaliação final:

As Aventuras de Sharpe:

1º livro - O Tigre de Sharpe
2º livro - O Triunfo de Sharpe
3º livro - A Fortaleza de Sharpe
4º livro - Sharpe em Trafalgar
5º livro - A Presa de Sharpe
6º livro - Os Fuzileiros de Sharpe
7º livro - A Devastação de Sharpe
...

2 de set de 2015

Lançamento de "Prince of Fools" em novembro

Boa notícia para os fãs de fantasia: a editora DarkSide Books anunciou que lançará Prince of Fools, 1º livro da série A Guerra da Rainha Vermelha, em novembro de 2015. Isso mesmo, em novembro!

“Sou um mentiroso, um trapaceiro e um covarde, mas nunca, jamais, irei decepcionar um amigo. A menos que, para não decepcioná-lo, seja preciso demonstrar honestidade, jogo limpo ou bravura.” Assim se apresenta Jalan Kendeth, o neto da Rainha Vermelha e décimo na linha de sucessão ao trono. Um verdadeiro hedonista sem pretensões políticas, que se vê obrigado a abandonar sua boa vida após sofrer uma tentativa de assassinato. Para escapar, precisa se aliar a um perigoso guerreiro.
Mark Lawrence novamente cria um anti-herói irresistível. Por que mesmo estamos torcendo por eles? – é uma pergunta comum entre os cada vez mais numerosos leitores de suas aventuras. A resposta, certamente, está no talento com que o autor conduz seus personagens e narrativas. E desta vez, a violência e o rancor de Jorg Ancrath, da Trilogia dos Espinhos, é substituída pela astúcia e charme do Príncipe dos Tolos.

A série, que se passa no mesmo universo de Prince of Thorns, terá o príncipe Jalan Kendeth como protagonista e é muito bem avaliada no exterior. Ainda não tive a oportunidade de ler Prince of Thorns, mas me interessei bastante por essa nova série. Quem mais vai querer?

O nosso parceiro INtocados já deu uma prévia do que os leitores podem esperar:

"Prince of Fools irá agradar a um maior público que a Trilogia dos Espinhos. A história ainda traz os elementos que nos impressionaram tanto em sua trilogia anterior - narração em primeira pessoa com uma voz original, repleta de humor negro e diálogo citáveis. Porém, mais tradicional, sem a violência extremista. É um ótimo começo de uma série que promete grandes aventuras e momentos de tensões. Prince of Fools mostrará aos fãs um lado do Império Destruído como nunca visto antes."

Certamente desbravarei essa série, mal posso esperar para botar as mãos no livro, ainda mais já sabendo da qualidade gráfica da DarkSide, que sempre traz edições em capa dura para os leitores!

Links para a obra: DarkSide Books - Goodreads - Skoob

29 de ago de 2015

Resenha: Shadows for Silence in the Forests of Hell - Brandon Sanderson

Título: Shadows for Silence in the Forests of Hell
Original: Shadows for Silence in the Forests of Hell
Autor: Brandon Sanderson
Páginas: 89
Editora: Dragonsteel Entertainment (2015)

Sinopse: Quando a familiar e aparente segurança torna-se letal, é lá que reside o perigo. Em meio a uma floresta onde as sombras dos mortos estão por toda parte, todo fazendeiro sabe seguir as Regras Simples: "Não acenda fogo, não derrame o sangue de outro, não corra à noite. Essas coisas atraem as sombras." Silence Montane quebrou todas as três regras em mais de uma ocasião. E para proteger sua família de uma gangue assassina com altas recompensas por suas cabeças, Silence quebrará todas as regras novamente, correndo o risco de tornar-se ela mesma uma sombra.

Shadows for Silence in the Forests of Hell é uma novella escrita pelo autor Brandon Sanderson e que foi anteriormente publicada na antologia Dangerous Women, organizada pelos autores George R.R. Martin e Gardner Dozois. Em 2015, a novella começou a ser vendida separadamente, imagino eu que pelo seu grande potencial e por se passar na Cosmere (!), universo que foi criado pelo autor.

Acompanhamos a narrativa pelo ponto de vista de Silence, uma mulher que vive nas Florestas do Inferno* e é dona de uma estalagem, responsável pela criação da sua filha William Ann e da garotinha Sebruki, além de ter a companhia de Dob, o homem que cuida do estábulo.

Silence é uma descendente dos Sentinelas*, conhecidos por idolatraram o Deus Além e serem os primeiros habitantes a saírem da Homeland e irem em direção às Florestas do Inferno. Logo após esse êxodo, o Mal* apareceu em Homeland e tomou conta do lugar, fazendo com que todos os seus habitantes fugissem em busca das Florestas. É da crença desse povo, dos Sentinelas, que um dia eles irão retornar à tal Homeland e derrotar a ameaça do Mal, recuperando a sua terra natal

Localizada em Threnody, um dos shardworlds da Cosmere, as Florestas do Inferno não costumam atrair muitos visitantes, já que as sombras* estão por todo canto e de olho nos habitantes que quebram alguma das Regras Simples: "Não acenda fogo, não derrame sangue de outra pessoa e não corre durante a noite". Você deve estar se perguntando o porquê de se ter uma estalagem no meio de um ambiente perigoso, correto? É simples: diz a lenda que a sombra do falecido marido de Silence protege o local, fazendo com que os viajantes que passam por lá considerem-no um refúgio.

Imagem meramente ilustrativa.

Quando um grupo de caçadores de recompensas, procurado por ter matado o prefeito de Último Porto*, aparece na estalagem, Silence sente que não pode deixar passar a oportunidade, já que tem uma reputação a manter, mesmo que as pessoas não saibam de verdade quem Silence realmente é.

A partir daí a narrativa entra em um "modo perseguição", com Silence e sua filha indo atrás do grupo e tendo que adentrar as Florestas. O legal desse conto é que ele parece estar situado num mundo bem similar ao nosso, com florestas, montanhas e coisas do tipo, pessoas comuns e suas duplas personalidades, nada que fuja ao normal, além das tais sombras assassinas, é claro.

Silence é simplesmente uma mulher comum, mas com habilidades de sobra para viver em um ambiente tão hostil, habilidades essas que lhe foram ensinadas pela Avó* e jamais esquecidas, como o leitor perceberá durante a leitura. A memória da Avó estará presente em vários momentos.

“She swept her knife through the first shade, as Grandmother had taught. Never creep back and cower before shades. You’re Forescout blood. You claim the Forests. You are their creature as much as any other. As am I. . . .”

Nada de uma mulher super fodona com poderes inigualáveis: Silence é simplesmente uma mãe que faz DE TUDO para proteger a sua família. Nada além disso, e esse foi um acerto na narrativa e acabou encaixando muito bem na temática da antologia promovida pelo G. Martin e pelo G. Dozois.

Importante ressaltar a importância da prata nesse livro, material utilizado para matar as sombras (pensei em vampiros nessa hora...) e para fazer as proteções, técnica bem similar à vista nos livros do autor Peter V. Brett. Mesmo sendo um recurso abundante, seu preço é caro, justamente pelos fatores citados acima, o que lembra bastante a stormlight, vista em outra obra/série do Brandon.

Eu já estava chegando no final do livro e imaginando uma possível, mas eis que o Sanderson abre (literalmente) a porta na minha cara e diz, sem perdão: "Sabe de nada, inocente". ahuhauhauhauah

Interessante notar também que essa novella não tem um sistema de magia magnífico como os das outras obras do autor, é simplesmente pegar a prata e não quebrar nenhuma das Regras.

Para os fãs de Brandon Sanderson que desejam saber mais sobre a Cosmere e explorar todos os lugares possíveis, Shadows for Silence in the Forests of Hell será uma excelente opção de leitura.

Avaliação final:


* Termos que foram traduzidos pela minha pessoa, portanto não são oficiais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...