11 de ago de 2012

Resenha: O Último Reino - Bernard Cornwell


Título: O Último Reino
Original: The Last Kingdom
Autor: Bernard Cornwell
Série: Crônicas Saxônicas/Saxon Stories #1
Páginas: 362
Editora: Record (2012)


Sinopse: O Último Reino é o primeiro romance de uma série que contará a história de Alfredo, o Grande, e seus descendentes. Aqui, Cornwell reconstrói a saga do monarca que livrou o território britânico da fúria dos vikings. Pelos olhos do órfão Uthred, que aos 9 anos se tornou escravo dos guerreiros no norte, surge uma história de lealdades divididas, amor relutante e heroísmo desesperado. Nascido na aristocracia da Nortúmbria no século IX, Uthred é capturado e adotado por um dinamarquês. Nas gélidas planícies do norte, ele aprende o modo de vida viking. No entanto, seu destino está indissoluvelmente ligado a Alfred, rei de Wessex, e às lutas entre ingleses e dinamarqueses e entre cristãos e pagãos.

Essa resenha foi revista e atualizada em julho de 2015.

Algumas palavras para definir esse livro? Vingança, traição, paredes de escudos. É isso o que você encontrará na narrativa e, tenho certeza, fará você se apaixonar por essa série. Comprei a coleção das Crônicas Saxônicas só de ler a sinopse e olhar para as capas, que são extremamente bonitas e possuem um cenário de guerra "sedutor". Deixando as enrolações de lado, mãos à obra.

Uhtred é um garoto saxão nascido na Nortúmbria, ao norte da Inglaterra como conhecemos hoje, e aos 10 anos acaba ficando órfão devido a um ataque dos dinamarqueses à região perto de sua terra natal, Bebbanburg. O que muda totalmente o destino de Uhtred é o fato dele ser capturado nesse ataque e começar a ser criado como um próprio dinamarquês pelo earl Ragnar, um chefe muito carismático e também excelente guerreiro, que desde pequeno lhe ensina a arte da batalha.


O livro,na sua maior parte, nos mostra a história do ponto de vista de Uhtred em meio aos invasores dinamarqueses, pois é com eles que Uhtred cresce e percebe a sua veneração pela guerra desde o momento em que põem os pés no mundo. Mesmo gostando do modo de vida dinamarquês e da sua cultura, Uhtred jamais esquece de Bebbanburg, pois é para lá que seu coração aponta, é lá que está a fortaleza da sua família e que pertence a ele agora, apesar de estar fora de alcance.

Tinha aprendido a esconder minha alma, ou talvez estivesse confuso. Nortumbriano ou dinamarquês? O que eu era? O que queria ser?

A partir de então a narrativa, sempre em primeira pessoa, por sinal, começa a retratar a conquista dos dinamarqueses, que com sua fúria e coragem chegaram ao litoral norte da Inglaterra e a partir dali expandiram o seu domínio pelo território inglês. Mas o que significa "O Último Reino", Vagner? O último reino refere-se a Wessex, única província inglesa que não foi conquistada pelos invasores, mesmo após Nortúmbria, Mércia e Ânglia Oriental caírem e ficarem sob domínio dos dinamarqueses. Uhtred aprende a lutar ao lado de Ragnar e seus guerreiros, que o consideram um aliado importante e o protegem de todos os perigos que podem atrapalhar a sua caminhada.

- Um líder lidera – disse Ragnar – e não se pode pedir que os homens arrisquem a vida se não estivermos dispostos a arriscá-la também.

O grande destaque dessa série não poderia ser outro: paredes de escudos. É incrível a quantidade de detalhes que o autor coloca em meio às cenas de guerra que você vai acabar a leitura simplesmente achando que já sabe matar todo mundo e está pronto para uma batalha de verdade.

Bernard Cornwell é um dos poucos autores que consegue transformar uma briga de rua em uma batalha épica entre dois exércitos. Você se sentirá lá no meio, baixando o escudo para não receber um golpe nos tornozelos enquanto levanta aquela espada para enfiá-la nas tripas do seu oponente.

Uhtred por Henrique Xavier
O júbilo! O júbilo da espada. Eu estava dançando de júbilo, a alegria fervilhando dentro de mim, o júbilo da batalha do qual Ragnar falava com tanta freqüência, o júbilo do guerreiro. Se um homem não o conheceu não é homem. Aquela não era uma batalha, não era uma carnificina propriamente dita, apenas uma matança de ladrões, mas foi minha primeira luta e os deuses tinham se movido dentro de mim, tinham dado velocidade ao meu braço e força ao escudo, e quando terminou, e quando dancei no sangue dos mortos, soube que eu era bom. Soube que eu era mais do que bom. Naquele momento poderia ter conquistado o mundo e meu único lamento era porque meu amigo não pôde ver, mas achei que ele poderia estar me olhando do Valhalla. Levantei Bafo de Serpente para as nuvens e gritei o nome dele. Já vi outros jovens saírem da primeira luta com o mesmo júbilo e os enterrei depois da batalha seguinte. Os jovens são idiotas, e eu era jovem. Mas era bom.

Algumas mulheres também entram e saem da vida de Uhtred conforme ele cresce e suas necessidades (fisiológicas) mudam. Sugiro que vocês prestem bastante atenção nessas personagens femininas, pois elas serão imprescindíveis para entendermos o que o futuro reserva para Uhtred.

Ah, não posso esquecer de comentar sobre o destino. Sim, sobre ele mesmo, o rumo que nossa vida irá levar. Sobre as três fiandeiras que regem a vida de Uhtred e insistem em colocá-lo na trama mais profunda possível, fazendo-o passar por muitas dificuldades e sempre se perguntar se está fazendo a coisa certa. Porque o destino, como já dizia Merlin nas Crônicas de Artur, é inexorável.

O destino é tudo. E agora, olhando para trás, vejo o padrão da jornada de minha vida. Começou em Bebbanburg e me levou ao sul, sempre para o sul, até que cheguei ao litoral mais distante da Inglaterra e não podia ir mais longe continuando a ouvir minha língua. Essa foi minha jornada de infância. Como adulto fui para o outro lado, sempre para o norte, levando espada, lança e machado para limpar o caminho de volta até onde comecei. Destino.

Sinceramente, me faltam palavras bonitas e verdadeiras o suficiente para descrever todo o amor que eu sinto por essa série. Apenas leia, e depois passe aqui para dizer se valeu a pena ou não.

Os livros das Crônicas Saxônicas fazem parte de uma história épica e que deve ser lida por todos os amantes de guerra! A caminhada do guerreiro saxão Uhtred o levará a traições e mentiras, ódio e vingança, e você não pode ficar de fora. Não vejo a hora de ler o segundo!

Pontos fortes: ação. Sangue. Guerra. Batalhas e mais batalhas. Paredes de escudos. Narrativa envolvente e um personagem tão foda que não há como não gostar.
Pontos fracos: para mim não é problema, mas acredito que a alta quantidade de personagens e seus herdeiros/antepassados possa confundir alguns leitores iniciantes no gênero.

Avaliação final:

Se eu recomendo? COM CERTEZA!

Crônicas Saxônicas:

1º livro - O Último Reino
2º livro - O Cavaleiro da Morte
3º livro - Os Senhores do Norte
4º livro - A Canção da Espada
5º livro - Terra em Chamas
6º livro - Morte dos Reis
7º livro - O Guerreiro Pagão
8º livro - O Trono Vazio
9º livro - Guerreiros da Tempestade
10º livro - O Portador do Fogo
11º livro - ...

34 comentários:

  1. Pela resenha deu vontade de ler. E olha que o tema "guerra" e tal, não é meu forte, no entanto, estes épicos assim eu gosto, tanto de livro quanto de filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está sendo uma excelente leitura para mim, Hannah. Eu sempre fui um apaixonado por épicos de guerra! Quem dera se houvesse um filme das Crônicas Saxônicas...

      Excluir
  2. ooo bixo veio, a gente tem que estudar um layout legal pra vc hein..
    vamo mexe??

    Guilherme Kunz
    http://tematoa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou resolvendo isso, Guilherme. Em breve visual novo.

      Valeu pela dica!

      Excluir
  3. Comprei o Box das Crônicas Saxônicas no Submarino bem baratinho mais ainda não comecei a ler!
    Pela resenha me deu vontade de começar logo
    Amo romances históricos!
    Abraços,
    Alysson

    http://fantasiabr.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me arrependo muito de não ter começado a ler antes, Alysson!
      Aproveita e começa logo. Sou um fã declarado de romances históricos também.

      Abração!

      Excluir
  4. Oi Vagner, obrigada por me avisar por e-mail! Eu adoro livros de guerra. Sério mesmo. Adorei sua resenha, pretendo ler em breve, quem sabe acho o box no Submarino com promoção? Beijos.

    http://leianoescuro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha, Stephanie. Eu consegui comprar os 6 livros da coleção na Saraiva por 115 reais. E olha que só consegui esse preço por causa de uma promoção.

      Beijos.

      Excluir
  5. Sempre quis ler um livro do Bernard Cornwell, todo mundo fala muito bem dele. Mas acho os livros dele meio caros (mas com capas lindas). Ótima resenha! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vívian, eu consegui os 6 livros dessa coleção por 115 reais. Já se você for comprar separadamente eles saem bem mais caros...
      Obrigado pelo elogio!

      Excluir
  6. Olá Vagner!
    Fiquei curiosa para ler, mas sou terrível em me perder nessas estórias de guerras, e como você disse, a quantidade de nomes confundi vai me confundir! rs
    Mas, como eu gosto de livros assim, acho que darei uma chance!

    Beijos
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tahis! No começo é um pouco complicado, mas conforme a estória vai se desenrolando fica mais fácil se localizar. AEHUEHUHAEUHAUEHEA
      Dê essa chance, tu não vais se arrepender!

      Beijos.

      Excluir
  7. Uau! Tá aí um livro com o estilo que gosto! Vou ler com certeza!
    Você tem razão, a capa influencia muito. Muitos livros bons escondem capas ruins, porém. Mas nada melhor do que um bom livro com uma capa bonita, né? A estante agradece rs.
    Já está na minha estante do skoob!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ótimo saber que mais pessoas apreciam romances épicos, Rafaela. Assim como várias livros com capas boas escondem histórias horríveis, infelizmente. Nossa estante agradece aos bonitos! HAEUHEAUHAEUHE

      Beijos.

      Excluir
    2. Olha eu aqui de novo! rs
      Acabei ganhando o livro de presente!
      Estou bem na metade dele e lamento, mas até agora não gostei nenhum pouquinho. Talvez seja a narrativa, que não mostra tanta emoção e tem pouquíssimos diálogos (só indiretos). Faltava aquele tempero chamado clímax! Tem muita coisa que acontece que poderia causar impacto emocional maior na vida de Uhtred mas o autor pecou em narrar esses fatos, na minha opinião.
      Esse tipo de narrativa acontece apenas nesse primeiro livro ou os outros seguem outra linha de raciocínio?
      É muito ruim ter que abandonar uma história com tantas boas críticas...

      Excluir
    3. Sério que você não gostou, Rafaela? Eu gostei tanto desse livro e virou um dos meus favoritos...
      Mas eu te aconselho a continuar lendo mais um pouco e ver se a narrativa não consegue mesmo te envolver, pois o segundo livro é bem melhor do que o primeiro.
      E não abandone Bernard Cornwell, isso é passível de punição! HAUEHUEAHUAEHUAHEUAHE

      Beijos e aguardo seu retorno.

      Excluir
  8. sétimo livro ja está com nome definido " The Pagan Lord" - O Senhor Pagão (livre tradução) fonte: site do próprio autor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela informação! Já alterei na resenha.

      Excluir
  9. Oi, parabéns pela resenha, me deu vontade de ler o livro, e ratifico q sua resenha está muito boa!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Amanda. O livro é sensacional, recomendo muito!

      Abraços.

      Excluir
  10. Muito boa resenha, Vagner!
    Sempre que visito seu blog quero comprar os livros que você resenha. Percebi que gosta do mesmo gênero que eu.
    Fiz a primeira resenha do Bravura Literária, dá uma olhadinha lá (por ser minha primeira resenha, não sei se ficou boa)

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desse jeito você sempre terá livros para ler, Phelipe! AHUHAUHA

      Recomendo muito essa série do Bernard Cornwell, pode desbravar sem medo. É só livraço, pode acreditar!

      Abraços e até mais, passarei lá no teu blog depois.

      Excluir
  11. Tenho me aventurado por livros com batalhas e guerras, onde os personagens realmente vão para o mão a mão (ou espada contra espada). Então, juntando o trailer da série que vai estrear em breve e junto com sua resenha, fiquei com vontade de ler. =D

    Blog | Paixonites Literárias Xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você certamente terá suas expectativas atendidas se ler essa série. Recomendo demais, tem tudo que um fã de guerras deseja!!

      Excluir
  12. Terminei essa semana de ler o primeiro livro. PQP, que F***. Espero que a experiência como um todo dessa saga seja no mesmo nível que a da trilogia do Artur.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É do mesmo nível, Alexandre, acho até que as batalhas das Crônicas Saxônicas são melhores que as da trilogia do Artur, mas aí é opinião minha mesmo. Continue lendo, a chance de não gostar é quase zero!!

      Excluir
  13. Olá Vagner... Quero te parabenizar pela resenha. Você fez um resumo muito chamativo e interessante, respeitando as surpresas que o livro guarda aos leitores.
    Comecei a me interessar pelo autor por conta da Trilogia do Artur (uma obra prima na minha opinião), em seguida comecei a acompanhar as crônicas saxônicas, e até o momento estou aguardando o lançamento dos demais livros. Li também a trilogia do Gral, mas sinceramente, não se compara as duas primeiras. Parabéns pela iniciativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, FELDON, seja bem-vindo ao blog!
      Eu comecei a ler Cornwell pelas Crônicas Saxônicas mesmo, mas depois tive que desbravar outras obras do autor e hoje já são 18 livros dele na minha estante! haha

      Abração e boa semana.

      Excluir
  14. comecei a ler as cronicas saxônicas pois uma débil disse que era muito ruim kkkk
    graças a deus ela esculacho a serie e nisso toco em um tema que gosto muito historia reais de guerra onde me despertou mais interesse ainda
    comecei minha leitura e menos de trinta dias depois estava a esperar o lançamento do 8° livro que este não tive muito tempo pra ler mas terminei de ler no ultimo domingo e aguardo ansiosamente o próximo livro da serie
    ver nosso herói uhtred em batalha é inexplicável

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem foi essa débil que falou mal dessa série? hauhauhauha
      É uma das melhores da minha vida!! A pessoa não devia gostar de ler sobre guerras, só pode, pra odiar tanto assim as Crônicas Saxônicas.

      O importante é que nós gostamos e cultivamos esse amor pelos livros!

      Excluir
  15. Vagner, acabei de terminar o primeiro livro da série, e digo que minhas altas expectativas foram completamente correspondidas. O diferencial da obra ao meu ver é a altíssima habilidade de escrita do autor, que nos envolve de uma tal maneira que mesmo quando não está havendo batalha alguma, ainda assim é tudo muito interessante de se ler, não tornando a leitura em nenhum momento cansativa.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Maurilei, é praticamente impossível não gostar da narrativa do Cornwell nessa série, eu simplesmente me sinto lá no meio da batalha, junto com Uhtred e seus guerreiros, batalhando com eles!

      Excluir
    2. Já era, Phelipe, temos mais um convertido para a igreja Cornwelliana. hauhauhauh

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...